Diversas alterações ocorridas através de despacho do IRN, impactando processos de todos os tipos.
ATENÇÃO: TONDELA não é mais balcão de nacionalidade. Pendentes serão enviados para a CRCentrais
Para pagar seu emolumento de processo de Transcrição de casamento ou de obtenção de nacionalidade através de Vale Postal, clique neste link, para saber o valor correto a ser pago (valores atualizados diariamente)

Ajuda para Iniciantes buscando informações sobre Nacionalidade Portuguesa

1202122232426»

Comentários

  • CEGVCEGV Moderator 4913 PontosPosts: 4,839

    @NicolasPaiva disse:
    @CEGV
    Primeiramente obrigado pela atenção.
    Eu pretendo dar início ao meu processo de nacionalidade em breve, mas tenho dúvida em relação ao nome da minha mãe que é a Portuguesa.
    Na minha certidão repográfica apostilada consta o primeiro nome de casada (casamento já transcrito em PT) "Cristiane Andrea e Paiva Garcia"

    Se o nome (original) que está na sua certidão é "um nome conhecido" para o governo português, nada a se preocupar.

    Mas no meu passaporte, o nome dela é o do segundo casamento "Cristinane Andrea e Paiva Binas"

    isso porque alguém pediu que o nome dela fosse atualizado na sua certidão, o que deu origem à averbação de atualização do nome de sua mãe. Penso (EU) que idealmente isso seria dispensável. Enfim, se tiverem dúvidas, basta indicar.

    Mas na minha certidão consta a anotação: "A genitora após casamento de 2 núpcias passou a assinar Cristiane Andrea e Paiva Binas"

    (isso é um averbamento)

    Sem problemas né? Mas nesse caso, seria melhor eu enviar a segunda certidão de casamento dela ? Pode ser uma simples mesmo ou eu deveria apostilar?

    pouco provável e, se ficarem na dúvida, basta saná-la. O fato da sua mãe não ter atualizado o registro civil dela em Portugal é problema dela, não seu.

    abraços,

  • CEGVCEGV Moderator 4913 PontosPosts: 4,839
    editado abril 11

    @Daisy disse:
    Bom dia!
    Parece que existe uma forma rápida em Lisboa para renovar o CC (Cartão de Cidadão) e Passaporte.

    Campus da Justiça, em Lisboa.

    A loja do Passaporte nao faz o CC, correto?

    nem sei o que é "loja do passaporte". Na "Loja do Cidadão", sim, fazem.

    Vou a Europa em Julho e farei escala em Lisboa. Assim, qual a melhor loja de cidadao para agendar o meu novo CC?

    Campus da Justiça, em Lisboa.

    Quanto temo para emissao? É possível retirar no balcão o cartão, já que não tenho moradia em lisboa?

    1 dia útil para o CC e outro para o Passaporte.

    Há um ano tento e não consigo renovar meus documentos, as vagas no consulado do Rio se esgotam para os despachantes...

    Nem falo mais de consulados... cansei... ;-)

  • Pat_PinheiroPat_Pinheiro Member 17 PontosPosts: 0

    Olá! Poderiam me orientar sobre a obtenção de certidão de nascimento com registro há mais de 100 anos para nascido português? Vi que no Civil online só consigo até 100 anos. Agradeço desde já.

    CEGV
  • CEGVCEGV Moderator 4913 PontosPosts: 4,839

    @Pat_Pinheiro disse:
    Olá! Poderiam me orientar sobre a obtenção de certidão de nascimento com registro há mais de 100 anos para nascido português? Vi que no Civil online só consigo até 100 anos. Agradeço desde já.

    Deve buscar nos arquivos distritais. Depois de 100 anos (mais ou menos) as conservatórias enviam os livros para os arquivos distritais. Lá também ficam guardados os livros de batismo das igrejas, anteriores a 1911, quando o registo civil português foi criado.

    abraços,

  • marcelocoelhopmarcelocoelhop Member 154 PontosPosts: 39

    Olá, pessoal.

    Esse fórum me ajudou muito durante o meu processo, e o indiquei a algumas pessoas que também estavam no processo de busca da cidadania.

    Hoje volto, mais uma vez, buscando sanar uma dúvida.

    Eu conheço o processo de pai/mãe pra filho; assim foi o meu. Contudo, há duas semanas, minha tia faleceu. Ela ainda não possuía a cidadania portuguesa. Há alguns dias, faleceu também minha avó, sua mãe, que possuía já a cidadania e era a filha do português originário.

    Minha dúvida: meu primo, filho dessa minha tia, que veio a falecer sem a cidadania PT, poderia requerer a cidadania portuguesa como neto de português, mesmo com a nossa avó, já portuguesa, também falecida? O consulado ainda não foi informado do falecimento de nossa avó.

    Gostaria de ajudá-lo com o processo, mas não sei se existe a possibilidade diante dessas circunstâncias. Espero que sim.

    Muito obrigado pela atenção e pela ajuda, tão preciosa, que recebi neste portal.

    Meus melhores cumprimentos,
    Marcelo

    CEGV
  • CEGVCEGV Moderator 4913 PontosPosts: 4,839

    @marcelocoelhop disse:
    Olá, pessoal.
    Esse fórum me ajudou muito durante o meu processo, e o indiquei a algumas pessoas que também estavam no processo de busca da cidadania.
    Hoje volto, mais uma vez, buscando sanar uma dúvida.
    Eu conheço o processo de pai/mãe pra filho; assim foi o meu. Contudo, há duas semanas, minha tia faleceu. Ela ainda não possuía a cidadania portuguesa. Há alguns dias, faleceu também minha avó, sua mãe, que possuía já a cidadania e era a filha do português originário.
    Minha dúvida: meu primo, filho dessa minha tia, que veio a falecer sem a cidadania PT, poderia requerer a cidadania portuguesa como neto de português, mesmo com a nossa avó, já portuguesa, também falecida? O consulado ainda não foi informado do falecimento de nossa avó.

    Independente de notificação sobre falecimento de ascendentes, se a pessoa é filha ou neta de cidadão português originário, que não perdeu seus direitos (casos raros), terá direito a requerer a nacionalidade portuguesa.

    Gostaria de ajudá-lo com o processo, mas não sei se existe a possibilidade diante dessas circunstâncias. Espero que sim.

    Marcelo, se me permite a sugestão, e por favor não me leve a mal, se você quer realmente ajudá-lo e se você não se tornou um especialista no assunto, o melhor que pode fazer é indicar que ele mesmo se instrua ou que lhe utilize somente como "suporte de primeiro nível". Não aconselho que ninguém oriente ninguém sem a necessária experiência e devida especialização. Claro e naturalmente, há exceções ao que falei acima. Pessoas com bastante experiência com cartórios, advogados com experiência em direito internacional e direito notarial, por exemplo, têm boa parte das habilidades necessárias para uma boa análise documental, mas mesmo esses, sem o conhecimento e experiência processual (com o IRN e governo português) ficam sujeitos ao que chamo de "roleta russa" da nacionalidade. Assim como iniciantes, conseguem juntar documentos, realizar procedimentos mas acabam em uma "loteria" dado que não compreendem completamente como o IRN trabalha e as muitas e diferentes regras adotadas pelos conservadores do IRN durante a análise documental. Algumas dessas regras, fixadas como normas e, outras, que dependem da análise discricionárias de cada conservador, são a diferença entre um processo deferido e um processo que sofrerá exigências ou, eventualmente, que sofrerá indeferimento.

    Há quase 9 anos atrás, quando comecei a estudar e me especializar, era militante do "faça você mesmo seu processo". Hoje depois de ter analisado e participado ativa ou passivamente de milhares de processos, não vejo o "faça você mesmo" com os mesmos olhos pois os 'casos omissos' são muitos, assim como a quantidade de detalhes que devem ser revisados em cada certidão e documento a ser enviado. Continuo achando que processos podem ser feitos sem contratação de caros profissionais mas, para aqueles que não se especializaram ou que são leigos no assunto, o envio na base do "faça você mesmo" sempre terá riscos de atrasos e, até mesmo, indeferimentos. É também por essas opiniões, formada ao longo dos últimos anos, que criei a mentoria de processos de nacionalidade. Se quiser entender um pouco mais sobre o que é , acesse o link https://portalcidadaniaportuguesa.com/forum/discussion/333/p1

    Desculpe o textão mas achei conveniente o alerta e devidas explicações.
    Abraços,

    marcelocoelhop
  • marcelocoelhopmarcelocoelhop Member 154 PontosPosts: 39

    Oi, @CEGV. Obrigado pela resposta. Você me entendeu errado. Quando disse ajudá-lo, não me referi apenas a tentar dar entrada no processo pra ele, mas ajudá-lo financeiramente, pois ele não tem condições de fazer isso, e estou pensando no futuro dele. Como, infelizmente, não tenho contato de algum advogado da área e tive péssimas experiências na minha época, com preços exorbitantes e informações erradas e desencorajadoras, resolvi vir ao grupo, pois aqui consegui achar todas as informações necessárias que me ajudaram a conseguir realizar o processo meu e de minha mãe. Mas agora é um outro processo.

    Caso você tenha um contato de confiança que possa me ajudar, eu lhe agradeço. Ou, pelo que entendi, você presta esse serviço pela mentoria? Vou olhar o link.

    Também não tenho muitos recursos, mas após essas perdas, gostaria de ajudá-lo a ter mais uma opção pro futuro dele.

    Obrigado novamente.

    Com meus melhores cumprimentos,
    Marcelo Coelho

    @CEGV disse:

    @marcelocoelhop disse:
    Olá, pessoal.
    Esse fórum me ajudou muito durante o meu processo, e o indiquei a algumas pessoas que também estavam no processo de busca da cidadania.
    Hoje volto, mais uma vez, buscando sanar uma dúvida.
    Eu conheço o processo de pai/mãe pra filho; assim foi o meu. Contudo, há duas semanas, minha tia faleceu. Ela ainda não possuía a cidadania portuguesa. Há alguns dias, faleceu também minha avó, sua mãe, que possuía já a cidadania e era a filha do português originário.
    Minha dúvida: meu primo, filho dessa minha tia, que veio a falecer sem a cidadania PT, poderia requerer a cidadania portuguesa como neto de português, mesmo com a nossa avó, já portuguesa, também falecida? O consulado ainda não foi informado do falecimento de nossa avó.

    Independente de notificação sobre falecimento de ascendentes, se a pessoa é filha ou neta de cidadão português originário, que não perdeu seus direitos (casos raros), terá direito a requerer a nacionalidade portuguesa.

    Gostaria de ajudá-lo com o processo, mas não sei se existe a possibilidade diante dessas circunstâncias. Espero que sim.

    Marcelo, se me permite a sugestão, e por favor não me leve a mal, se você quer realmente ajudá-lo e se você não se tornou um especialista no assunto, o melhor que pode fazer é indicar que ele mesmo se instrua ou que lhe utilize somente como "suporte de primeiro nível". Não aconselho que ninguém oriente ninguém sem a necessária experiência e devida especialização. Claro e naturalmente, há exceções ao que falei acima. Pessoas com bastante experiência com cartórios, advogados com experiência em direito internacional e direito notarial, por exemplo, têm boa parte das habilidades necessárias para uma boa análise documental, mas mesmo esses, sem o conhecimento e experiência processual (com o IRN e governo português) ficam sujeitos ao que chamo de "roleta russa" da nacionalidade. Assim como iniciantes, conseguem juntar documentos, realizar procedimentos mas acabam em uma "loteria" dado que não compreendem completamente como o IRN trabalha e as muitas e diferentes regras adotadas pelos conservadores do IRN durante a análise documental. Algumas dessas regras, fixadas como normas e, outras, que dependem da análise discricionárias de cada conservador, são a diferença entre um processo deferido e um processo que sofrerá exigências ou, eventualmente, que sofrerá indeferimento.

    Há quase 9 anos atrás, quando comecei a estudar e me especializar, era militante do "faça você mesmo seu processo". Hoje depois de ter analisado e participado ativa ou passivamente de milhares de processos, não vejo o "faça você mesmo" com os mesmos olhos pois os 'casos omissos' são muitos, assim como a quantidade de detalhes que devem ser revisados em cada certidão e documento a ser enviado. Continuo achando que processos podem ser feitos sem contratação de caros profissionais mas, para aqueles que não se especializaram ou que são leigos no assunto, o envio na base do "faça você mesmo" sempre terá riscos de atrasos e, até mesmo, indeferimentos. É também por essas opiniões, formada ao longo dos últimos anos, que criei a mentoria de processos de nacionalidade. Se quiser entender um pouco mais sobre o que é , acesse o link https://portalcidadaniaportuguesa.com/forum/discussion/333/p1

    Desculpe o textão mas achei conveniente o alerta e devidas explicações.
    Abraços,

    CEGV
  • CEGVCEGV Moderator 4913 PontosPosts: 4,839

    @marcelocoelhop disse:
    Oi, @CEGV. Obrigado pela resposta. Você me entendeu errado. Quando disse ajudá-lo, não me referi apenas a tentar dar entrada no processo pra ele, mas ajudá-lo financeiramente, pois ele não tem condições de fazer isso, e estou pensando no futuro dele. Como, infelizmente, não tenho contato de algum advogado da área e tive péssimas experiências na minha época, com preços exorbitantes e informações erradas e desencorajadoras, resolvi vir ao grupo, pois aqui consegui achar todas as informações necessárias que me ajudaram a conseguir realizar o processo meu e de minha mãe. Mas agora é um outro processo.

    Oi Marcelo. Sua postura é excepcional então. Encontramos casos demais de pessoas que fizeram com sucesso alguns processos e entendem que já conseguem orientar outros a como fazer seus processos. O problema é o risco envolvido. Uma coisa é o próprio requerente buscar guias e soluções e "tocar" seu processo. Outra é orientar terceiros a fazerem seus processos (por mais próximos que sejam) sem ter razoável experiência no assunto. O risco no primeiro caso é completamente do próprio requerente. No segundo caso uma má orientação que gere despesas imprevisíveis e até eventual indeferimento pode prejudicar uma amizade ou pior, em último caso. O melhor sempre é, se decidir fazer sozinho, deixar o próprio requerente (ou parente muito íntimo - filho ou cônjuge) tocar o processo. Já vi, infelizmente, arranca-rabo(s) familiares por erros de julgamento.

    Se quiser conversar sobre ajuda especializada, fique à vontade para me procurar particularmente pelo link abaixo

    Enviar mensagem privativa para CEGV pelo Portal

  • dicãodicão Member 264 PontosPosts: 59

    @CEGV. Bom dia. Retornando para obter informações quanto ao requerimento de cartão cidadão na página do Consulado RJ. Desculpe, mas o "bilhete de identidade" solicitado na página do consulado é a Carteira de Identidade como cidadão brasileiro, correto?

    CEGV
  • dicãodicão Member 264 PontosPosts: 59

    A propósito: alguém conseguiu agendar o pedido de cartão cidadão na página do consulado/RJ?

    CEGV
  • CEGVCEGV Moderator 4913 PontosPosts: 4,839

    @dicão disse:
    @CEGV. Bom dia. Retornando para obter informações quanto ao requerimento de cartão cidadão na página do Consulado RJ. Desculpe, mas o "bilhete de identidade" solicitado na página do consulado é a Carteira de Identidade como cidadão brasileiro, correto?

    Bilhete de Identidade ou, BI, é a versão anterior, em papel, do (atualizado) cartão cidadão.

  • CEGVCEGV Moderator 4913 PontosPosts: 4,839

    @dicão disse:
    A propósito: alguém conseguiu agendar o pedido de cartão cidadão na página do consulado/RJ?

    Se não conseguir tente agendar entrando em contato com a ouvidoria do consulado.

  • NicolasPaivaNicolasPaiva Member 32 PontosPosts: 3

    Pessoal, eu moro aqui em Portugal, mas no momento não estou legalizado (sou filho maior de portuguesa)

    Eu enviei o meu processo na segunda-feira para o ACP, mas acabei vendo que talvez eu tenha cometido alguns erros (tenho esperança que não)

    Enviei a minha Certidão Reprográfica, apostilada.

    Assentos simples de nascimento e casamento da mãe portuguesa. Documentos portugueses.

    Print do email onde veio o formulário.

    Mas como estou em Portugal, os outros documentos acabaram ficando diferentes do que a maioria das pessoas envia. Que foi o seguinte:

    Cópia do Passaporte autenticada em Cartório Notarial (não apostilei, porque pra mim, por se tratar de uma autenticação feita em solo português, dizendo que foi realizada no cartório, com selo branco, seria suficiente. Ainda espero que seja!)

    Formulário 1C, frente e verso, colorido, preenchido e com assinatura autenticada, também em Cartório Notarial, feita na presença do funcionário, com selo branco e falando que foi feita no cartório, na presença do funcionário, etc…

    Será que terei problemas? Foi tudo feito aqui em Cartório Notarial, que pra mim, seria mais que suficiente pra provar que as coisas são autênticas… Vou torcer pelo melhor!

    CEGV
  • CEGVCEGV Moderator 4913 PontosPosts: 4,839
    editado maio 5

    @NicolasPaiva disse:
    Pessoal, eu moro aqui em Portugal, mas no momento não estou legalizado (sou filho maior de portuguesa)

    você tem uma situação melhor que a maioria. Como filho de cidadã portuguesa, não pode ser deportado (entendo que isto se aplica se sua mãe residir em Portugal).

    Eu enviei o meu processo na segunda-feira para o ACP, mas acabei vendo que talvez eu tenha cometido alguns erros (tenho esperança que não)
    Enviei a minha Certidão Reprográfica, apostilada.
    Assentos simples de nascimento e casamento da mãe portuguesa. Documentos portugueses.
    Print do email onde veio o formulário.

    se pagamento via cartão, beleza.

    Mas como estou em Portugal, os outros documentos acabaram ficando diferentes do que a maioria das pessoas envia. Que foi o seguinte:
    Cópia do Passaporte autenticada em Cartório Notarial (não apostilei, porque pra mim, por se tratar de uma autenticação feita em solo português, dizendo que foi realizada no cartório, com selo branco, seria suficiente. Ainda espero que seja!)

    Penso, particularmente, que a melhor solução seria você próprio ter entregue o requerimento e documentos em alguma CRC. O próprio oficial do IRN iria autenticar uma cópia do seu passaporte e anexá-lo no processo. Dependerá se o conservador vai ou não entender que o selo branco é suficiente. O problema aí é que não foi um oficial do IRN que validou seu documento mas um notário português.

    Formulário 1C, frente e verso, colorido, preenchido e com assinatura autenticada, também em Cartório Notarial, feita na presença do funcionário, com selo branco e falando que foi feita no cartório, na presença do funcionário, etc…

    Mesma situação acima. Em geral, nesses casos, a melhor solução e entregar o próprio requerente em uma CRC.

    Será que terei problemas?

    existe possibilidade se o revisor for chato com a história da apostila.

    Foi tudo feito aqui em Cartório Notarial, que pra mim, seria mais que suficiente pra provar que as coisas são autênticas… Vou torcer pelo melhor!

    Inicialmente, em primeira análise, tinha considerado que "talvez" pudesse passar. Infelizmente para você, refleti melhor (rapidamente) e acabei voltando aqui para mudar minha resposta e te dizer que muito provavelmente não vai passar do jeito que está.

    E isso por conta de seu passaporte, principalmente. Entenda: O notário português fez o trabalho que no Brasil o notário brasileiro faria, ou seja, autenticou sua assinatura e autenticou que a cópia do seu passaporte era idêntica ao original.

    O problema: Ficou faltando, no passaporte, a apostila de Haia, que nem os consulados brasileiros em Portugal fazem e cuja função é dar validade internacional a um documento brasileiro. Infelizmente Isso (apostila) só pode ser feito no Brasil. Então, por falta da apostila em seu passaporte, provavelmente seu processo cairá em exigência. A única alternativa que conheço para isso não ocorrer é o próprio requerente apresentar o processo em alguma CRC
    (mais isso não dá mais pois vc já enviou seu processo...)

    Pode passar mesmo assim ? É 100% garantido que cairá em exigência ?
    Não.. nada no IRN é 100% garantido. Mas lhe diria que a chance de cair em exigência é muito grande (quase certa). Só não cairá por preguiça ou extrema leniência do conservador.

    abraços,

  • NicolasPaivaNicolasPaiva Member 32 PontosPosts: 3

    Pode passar mesmo assim ? É 100% garantido que cairá em exigência ?
    Não.. nada no IRN é 100% garantido. Mas lhe diria que a chance de cair em exigência é muito grande (quase certa). Só não cairá por preguiça ou extrema leniência do conservador.

    Poxa, eu espero que não cai em exigência... Porque como eu estoou aqui em PT, não consigo apostilar meus documentos... Vou ter que enviar meu passaporte pro Brasil pra apostilarem lá e depois mandarem de volta pra cá?

    Eu pensei que a cópia notarizada ia valer aqui pois quando fui no IRN disseram que era essa a cópia autenticada, que tem o selo do notário, descrevendo que é a cópia do documento original, etc. O apostilamento de um documento autenticado em cartório brasileiro, ao meu ver, é necessário pois de fato foi emitido em outro país. Mas no meu caso, é o documento original com a cópia feita já e autenticada aqui em Portugal...

    Resta esperar mesmo.. Daqui uns 4 meses espero não ver nenhuma exigência.

    Abraços!!

    CEGV
  • CEGVCEGV Moderator 4913 PontosPosts: 4,839

    @NicolasPaiva disse:

    Pode passar mesmo assim ? É 100% garantido que cairá em exigência ?
    Não.. nada no IRN é 100% garantido. Mas lhe diria que a chance de cair em exigência é muito grande (quase certa). Só não cairá por preguiça ou extrema leniência do conservador.

    Poxa, eu espero que não cai em exigência... Porque como eu estoou aqui em PT, não consigo apostilar meus documentos... Vou ter que enviar meu passaporte pro Brasil pra apostilarem lá e depois mandarem de volta pra cá?

    é uma solução.

    Eu pensei que a cópia notarizada ia valer aqui pois quando fui no IRN disseram que era essa a cópia autenticada, que tem o selo do notário, descrevendo que é a cópia do documento original, etc.

    Então... é a "pegadinha" de confiar em funcionários que talvez não estejam muito preocupados em lhe orientar adequadamente ou, até mesmo, não entendam o suficiente de normas e legislações específicas.

    Te contar um caso recente: Há um mês atrás estive em Portugal e conversei com uma conservadora, de uma CRC de interior pequena, que me disse que não queria aceitar certos pedidos (que ela funcionalmente precisaria aceitar) porque o pessoal dela não estava devidamente treinado.

    Parece loucura mas é mais ou menos assim. Se o(a) conservador não "prepara" a equipe, eles não sabem o que fazer (se não tiveram treinamento prévio por outro conservador). O PIOR é que esse "pessoal" é que te recebe e orienta quando você chega no balcão de uma CRC. Você então pode dar sorte ou pode dar azar.

    O apostilamento de um documento autenticado em cartório brasileiro, ao meu ver, é necessário pois de fato foi emitido em outro país. Mas no meu caso, é o documento original com a cópia feita já e autenticada aqui em Portugal...

    Infelizmente não é assim, amigo. O "Apostilamento de Haia" é o que dá o reconhecimento internacional à cópia autenticada de seu documento. Se fosse sua certidão de nascimento seria 100% de chance de ser devolvida. Como foi seu passaporte, pode ser que o conservador discricionariamente aceite a autenticação portuguesa.

    Resta esperar mesmo.. Daqui uns 4 meses espero não ver nenhuma exigência.

    você pode atuar preventivamente e ter esse documento já disponível com você. Se pedirem você entrega imediatamente e não perde tempo.

    Abraços!!

    abraços,

  • DanielaFreireDanielaFreire Member 37 PontosPosts: 1
    editado maio 19

    Oi Meu bisavô se chamava [removido], veio de Portugal e morreu nada data de 06/06/1945. Eu gostaria de saber mais sobre ele mas ele e minha vó casada com ele [removido]. Alguém consegue me ajudar?

    CEGV
  • CEGVCEGV Moderator 4913 PontosPosts: 4,839

    @DanielaFreire disse:
    Oi Meu bisavô se chamava [removido], veio de Portugal e morreu nada data de 06/06/1945. Eu gostaria de saber mais sobre ele mas ele e minha vó casada com ele [removido]. Alguém consegue me ajudar?

    Daniela,
    Por questões de segurança e preservação de dados pessoais, não permitimos a nossos usuários o compartilhamento público de nomes ou informações pessoais.

    Temos aqui no Portal, uma categoria de tópicos destinada a orientar e guiar nossos usuários na busca e pesquisas documentais. Ela pode ser acessada pelo seguinte link
    https://portalcidadaniaportuguesa.com/forum/categories/documentos

    No mais, caso as orientações não sejam suficientes, poderá me procurar particularmente pelo link abaixo, onde posso responder a questões pontuais sobre procedimentos de buscas e, adicionalmente, lhe dar outras alternativas viáveis.

    Enviar mensagem privativa para CEGV pelo Portal

    abraços,

Entre ou Registre-se para fazer um comentário.